Boas práticas no desenvolvimento de websites

Artigo muito interessante para quem desenvolve websites.

Uma lista de pontos a observar que podem significar o sucesso do site que você está criando agora para o seu cliente, especialmente se orientado a vendas.

Por Marcelo Mattei

Existe mais ou menos um consenso entre os profissionais sobre o que observar ao desenvolver um bom website. Este artigo procura reunir estes pontos, com base em uma livre interpretação de alguns protocolos e padrões da W3C.

Nosso foco está nos sites de objetivos comerciais, cada vez mais o destino de compradores e especificadores nas compras de produtos entre empresas.

Sabemos que o processo de compra pode começar de diversas formas (através de revistas técnicas, sites de buscas, portais verticais ou indicação de colegas), mas sempre o comprador acessa o website do fornecedor antes de decidir a compra. É nesta hora que a qualidade do website e das informações que oferece se tornam um fator primordial em apoio à decisão de compra.

Um bom website deve oferecer uma navegação fácil, intuitiva e rápida em função da informação que o comprador procura.

Definir objetivos claros

Antes de qualquer ação, é preciso saber o que se espera do site que será desenvolvido. Sites sem objetivos claros são confusos, dispersos e dificultam o usuário a atingir suas necessidades. Para desenvolver um novo website ou reformular um já existente é necessário responder as seguintes perguntas:

  • qual a finalidade do website?;
  • qual o público-alvo?;
  • para quê o público-alvo vai utilizar o website?;
  • quais os principais concorrentes da empresa?;
  • quais as palavras-chaves que são ou devem ser utilizadas para que compradores encontrem o website em mecanismos de buscas?

Com base nas respostas a essas perguntas é possível criar um roteiro para servir de guia durante a fase de desenvolvimento, assegurando que o mercado comprador seja atendido.

Orientar e conduzir o usuário

Durante a navegação o usuário pode se perder nas páginas. Para minimizar essa dispersão, o website deve sempre informar o usuário em que página ele se encontra, como chegou até ali e quais são suas opções de saída.

Isso pode ser feito através de algumas recomendações:

  • a página principal deve informar ao usuário onde ele está e o que o website oferece;
  • em todas as páginas oferecer um link de retorno para a página principal;
  • durante a navegação, as páginas devem informar ao usuário onde ele está, de que página veio e para aonde ele pode seguir;
  • é imprescindível existir um mapa do site para que o usuário possa se localizar em qualquer momento da navegação;

Com relação aos links:

  • devem ser auto-explicativos;
  • evitar o uso de expressões como “clique aqui”;
  • marcar como link o texto (nome da empresa, título da página, assunto etc.) e não o endereço URL;
  • apontar exatamente para o conteúdo descrito no link;
  • em caso de conteúdo fechado, para usuários registrados, indicar graficamente ao lado do link (ex.: ícone de cadeado ou chave);
  • se possuir lista de links úteis, inserir comentários sobre cada link disponível;

Usar o atributo ALT da HTML (HyperText Markup Language), com o significado das imagens para que o texto apareça enquanto estiver sendo feito o download da figura ou quando o usuário optar por suprimir figuras na configuração do seu navegador web.

Em mapas de imagem, colocar ALT em todas as posições clicáveis.

Legibilidade, estética e quantidade de informação

Quanto menos o usuário for distraído por informação desnecessária, maior a probabilidade de encontrar o que realmente procura.

  • ocupar de 50 a 80% da página com conteúdo (preferencialmente, 80%);
  • ocupar no máximo 20% da página com informações sobre a navegação;
  • evitar frames;
  • não usar propaganda. Se for necessário, exibir a propaganda no espaço anteriormente destinado à navegação, e não do espaço destinado ao conteúdo;
  • evitar menus pull-down (aqueles que abrem as opções quando o mouse é passado sobre o item);
  • evitar imagens ou textos animados;
  • não usar desenhos ou texturas no fundo de página. Quanto mais limpa e clara melhor;
  • utilizar um conjunto limitado de cores;
  • para realçar textos, usar cores ao invés de sublinhado ou elementos piscando;
  • contrastar letras com o fundo (melhor utilizar fundo claro, com texto escuro);
  • usar no máximo dois tipos de fontes e com tamanhos legíveis, mas não exagerados;
  • eliminar qualquer elemento que não seja relevante ao usuário e que possa causar confusão;
  • é recomendável evitar conteúdos protegidos por senhas;

O usuário deve sempre controlar suas ações

As ações no website site devem ser reversíveis; o usuário deve ser capaz de desfazer pelo menos a última ação realizada. Essa capacidade o encoraja a explorar o website, ao saber de antemão que erros cometidos podem ser corrigidos.

  • sempre possibilitar o retorno à página anterior;
  • permitir que processos ou transações sejam canceladas mesmo antes de terminadas;
  • só desviar para outra página quando o usuário tomar alguma ação como, por exemplo, digitar Enter;
  • evitar janelas adicionais;
  • utilizar estrutura que indique a navegação que foi feita pelo usuário até a página em que se encontra, em formas de links. Essa estrutura é conhecida como breadcrumbs ou “migalhas de pão” e pode ser utilizada para navegação pelo website. Exemplo: Home -> Página de Produto -> Produto 1 -> Dados do Produto;
  • oferecer serviço de busca em todas as páginas do website, com pesquisa restrita apenas ao conteúdo do website;
  • não utilizar plug-ins auto-instaláveis;
  • em formulários de entradas de dados, posicionar o cursor sempre no próximo campo a ser preenchido;
  • possibilitar entrada de dados por mouse ou teclado e saída de dados em impressora selecionada pelo usuário.

Capacidade do website em se adaptar ao contexto e necessidades do usuário

Em função da enorme diferença entre usuários e suas formas de interação com o website, é necessário que a interface seja flexível o bastante para realizar a mesma tarefa de diversas maneiras.

  • minimizar a quantidade de cliques para chegar à informação desejada. O recomendável são quatro cliques no máximo;
  • não utilizar páginas sem conteúdo útil (como, por exemplo, páginas apenas com mensagens de boas vindas;
  • desenvolver páginas que se adaptem à resolução do monitor do usuário;
  • para ações de download, se forem demorar mais do que 10 segundos, informar o tamanho do arquivo;
  • evitar a utilização de elementos gráficos nos arquivos de download;
  • em páginas com textos explicativos, sempre começar pelo mais importante, garantindo que as informações e elementos relevantes estejam disponíveis sem a necessidade de rolar a tela;
  • se o texto a ser apresentado for muito extenso, oferecer a possibilidade de download;
  • oferecer serviço de pesquisa no website com verificação ortográfica ou resultado fonético;
  • no resultado das buscas, sempre apresentar os resultados mais relevantes em primeiro lugar, sem necessidade de apresentar telas intermediárias com indicação de porcentagens de relevância;
  • ainda no resultado da busca, destacar as palavras encontradas iguais a palavra digitada para pesquisa;
  • se não forem encontrados resultados para a busca pesquisada, oferecer lista com sugestões de termos mais próximos;
  • a caixa de busca deve aceitar pelo menos 3 palavras digitadas.

Evitar ao máximo a ocorrência de erros

Quanto menor a probabilidade de erros, menos interrupções ocorrem e melhor é o desempenho do usuário.

  • não usar páginas com expressão “em construção”. O website deve apresentar apenas o que já está finalizado e pronto para acesso;
  • não liberar website parcialmente pronto;
  • remover dados/páginas desatualizados (como por exemplo, páginas convidando os usuários para participarem de eventos que já ocorreram);
  • oferecer páginas de ajuda;
  • não usar URLs muito extensas ou sem significado;
  • evitar hífens ou outros caracteres especiais no endereço das páginas, bem como “O” e “0″;
  • escolher bem os títulos das páginas, com duas a seis palavras, de forma que caracterizem bem seu conteúdo;
  • não repetir o mesmo título em duas páginas diferentes;
  • fornecer mensagens de erro com sugestões ou instruções simples para a correção do erro;
  • não utilizar image maps que exijam muita precisão ao clicar;
  • evitar páginas órfãs, sem qualquer indicação de opções de navegação.

Padrão e usabilidade na escolha da interface (layout)

Um bom website deve ser facilmente reconhecido, identificado e utilizado pelos usuários.

  • usar sempre a mesma localização de elementos comuns em todas as páginas;
  • títulos ou cabeçalhos das páginas devem corresponder exatamente aos termos utilizados nos links que apontam para essas páginas;
  • usar um estilo padrão para layout, cores, fontes, etc.;
  • não sair do padrão web de cores para links, ou seja, azul para link não clicado e púrpura para link já clicado;
  • destacar palavras importantes, com o cuidado de não sublinhar em azul palavras que não sejam links. Não se deve sublinhar nada que não possa ser clicado.

Compatibilidade entre o website e o contexto de aplicação

O web site deve “falar” a língua do usuário, através de conceitos familiares. Não de seve utilizar termos técnicos relacionados à tecnologia web.

  • a estrutura do web site deve estar de acordo com o contexto das tarefas realizadas pelos usuários;
  • verificar erros de grafia, tomando como base o glossário de termos técnicos de uso corrente na instituição;
  • o enfoque do website corporativo deve ser o conteúdo e não a propaganda;
  • não usar elementos metafóricos a menos que sejam de uso corrente para o segmento ao qual o website se destina;
  • dar preferência aos termos padronizados e conhecidos pelos usuários;
  • usar formato de data e unidades de medida de acordo com o padrão utilizado na instituição.

Conclusão

Cada website possui características próprias e as particularidades devem ser respeitadas. Nem todos esses passos citados acima podem ser aplicados, mas ao aplicar a grande maioria deles podemos gerar padrões de construção e desenvolvimento que vão garantir boa aceitação e utilização.

Não podemos esquecer nunca que todo e qualquer website tem como principal objetivo atender os usuários. Sem usuários, o site fica sem função e sem razão de existir.

Esse objetivo fica ainda mais relevante quando pensamos em websites B2B, voltados para a geração de negócios, oportunidades e e vendas entre empresas. Quando um website business-to-business não atende ao usuário, ele simplesmente é deixado de lado e não mais acessado.

Por isso o objetivo destas dicas é ajudar no desenvolvimento de sites que realmente atendam seus objetivos, ou seja, sejam capazes de gerar negócios. [Webinsider]

.

~ por Cissô em 20 novembro 2007.

2 Respostas to “Boas práticas no desenvolvimento de websites”

  1. muito bom fera…
    estudei ‘empreendedorismo’ quando fazia curso de webdesign..
    tudo isso acima aprendi la..
    mais foi muito bom eu ter achado novamente isso aqui..
    pq com o tempo agente esquece de alguns passos ‘importantes’
    na hora de elaborar um site..

    vlw..

    abraços!

  2. Obrigado pelo o artigo, gostei muito e como estou no inicio, gostei dos concelhos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: